Queda de testosterona em indivíduos jovens, Fique por dentro!

Na matéria anterior conversamos sobre a andropausa, que é um quadro que acomete homens, por volta dos cinquenta anos, semelhante à menopausa, mas difere-se desta porque é um quadro que vai se instalando lentamente e que não atinge 100% dos homens.

Nesta matéria, irei falar um pouquinho sobre um quadro que vem aparecendo cada dia com mais frequência na clínica e afeta jovens, independente de sexo e de idade. Estou falando sobre o hipoandrogenismo, ou queda de testosterona e de andrógenos que vem aparecendo com uma certa frequência no dia a dia do consultório.

Bom, vamos recordar um pouco do que foi falado na matéria anterior e vamos também colocar alguns conceitos novos, nesta matéria.
A testosterona, é um hormônio sexual presente em maior quantidade em homens, responsável em grande parte pelo aparecimento dos caracteres masculinos, mas também presente em menor quantidade no sexo feminino aonde vai produzir suas demais funções.

Para continuarmos recordando, além dos caracteres sexuais masculinos, a testosterona é responsável pela libido, pelo controle de massa magra/ massa gorda, pela força e também age controlando o humor e a cognição.

Quando baixa, ela é responsável por uma série de sintomas, destes muito comuns de serem encontrados nos dias atuais, como:

- Fadiga, sem causa aparente.

- Desânimo, depressão.

- Diminuição de rendimento, tanto no trabalho como nas atividades físicas e corriqueiras.

- Aumento de gordura, principalmente abdominal e diminuição de massa magra.

 - Baixa de libido.

- Disturbios do sono.

- Défiicit cognitivo (esquecimento, lentificação de pensamento).

- Risco aumentado para Alzheimer e osteoporose.

Comuns estes sintomas, não é mesmo?

Então, tudo isso é culpa da testosterona? Você deve estar perguntando.

Vou te responder, pode ser sim uma das inúmeras causas e hoje bem frequente.

Então é só repor testosterona e tudo fica bem? É o que você está achando neste momento.

Seria bom se isso fosse assim tão simples não é mesmo? Mas como costumo dizer sempre nas minhas matérias, a medicina não é uma ciência exata e o corpo humano, só funciona bem em equilíbrio e isto é fundamental, quando se fala de hormônios, porque o uso inconsequente pode trazer graves consequências ao nosso organismo.

Ok, você deve estar pensando neste momento, mas se eu tenho falta de hormônio e eu repor, não vai ficar tudo bem?

Mais ou menos....

Em primeiro lugar, precisamos entender a causa desta baixa de testosterona e ela pode ser por vários motivos:

 - Por aumento de obesidade: você nestes casos pode ter a queda da testosterona porque o tecido adiposo produz uma substância denominada aromatase que transforma a testosterona em estrógeno ou você pode ter uma queda de testosterona por um aumento de insulina.

- A hiperinsulinemia pode causar uma esteatose hepática não alcoólica, também conhecida como gordura no fígado. Esta alteração hepática, aumenta a produção de uma enzima denominada SHBG, que se liga a testosterona deixando ela inativa e desta forma, apesar de poder ter uma boa quantidade de testosterona total , você tem uma baixa concentração de testosterona livre e portanto ativa e aí aparecerá sintomas de falta de testosterona.

- Ainda a hiperinsulinemia diminui a nível hipotalâmico a produção de LH, que atua nas células de sertoli, estimulando a produção de testosterona
- O stress , quando descompensado também pode causar baixa de testosterona.

- Uso de cigarro, estudos mostram uma diminuição de 20% na concentração de testosterona em fumantes, além de um aparecimento mais precoce de andropausa.

- Alcoolismo também causa déficit de testosterona.

- Dormir mal, já que o pico de produção de testosterona ocorre de madrugada e tem extrema relação com o sono. Dormir mal pode ocasionar uma queda de até 40% na produção de testosterona.

- Uso de anticoncepcional, porque estimula a produção de SHBG que se liga a testosterona como dito acima.

- Uso de anabolizantes sintéticos, que inibem a produção glandular podendo se tornar irreversível.

Nossa doutora, são muitas as causas não é mesmo?

Isto mesmo, e cada uma delas merece um tipo de abordagem diferente. Ainda não falei das causas primárias, que são deficiências genéticas e que devem ser tratadas por especialistas na área, no caso endocrinologista.

A priori, quando um paciente chega no consultório, mesmo que o mesmo tenha todos os sintomas de um hipotestosteronismo, antes de qualquer atitude em repor hormônio, precisamos tirar uma história detalhada, para verificarmos tudo que possa estar acontecendo com nosso paciente e corrigirmos. Então nestes casos, além da história clínica, pedimos uma bateria de exames que vão acabar checando todas as hipóteses.

Começamos, em primeiro lugar, corrigindo hábitos como instituir dieta, sono regular, atividade física, controle de stress e ansiedade.

Isto porque, reduzindo a hiperinsulinemia, a gordura no fígado, regulando o sono e controlando o stress, grande parte dos nossos problemas estarão solucionados e a produção hormonal, volta ao normal imediatamente.

A atividade física é um grande aliado por si mesma, já que a prática de esportes, luta ou atividade resistida, estimulam muito a produção de testosterona.

Verificamos também o uso de anticoncepcional pela mulher e se junto tivermos um aumento muito significativo de SHBG, sugerimos que a mesma procure seu ginecologista para uma troca de pílula ou de método anticoncepcional.

Feito tudo isso, e a testosterona continua baixa, ou, se aos exames tivermos associado por exemplo um aumento de hormônio feminino ( estradiol ou estrona), podemos entrar com um inibidor de aromatase associado.

O uso de testosterona em primeira escolha, mesmo que sendo a bioidentica, fica na maioria das vezes para uma segunda etapa, já que todas as medidas ditas acima podem levar a uma restituição da normalidade, sem que haja um desequilíbrio químico e uma supressão glandular, o que pioraria o quadro.
Quando entrar com testosterona, então?

Quando você tem um quadro muito baixo de produção, com sintomas exacerbados, você pode fazer uso, por um pequeno período de reposição, com hormônio bioidêntico e numa dosagem fisiológica, visando diminuir os sintomas e as consequências nefastas de um hipotestorenismo enquanto você vai fazendo as correções necessárias.

Quais os efeitos da reposição de testosterona?

- Aumento da densidade mineral óssea.

- Diminuição da massa gorda, principalmente visceral com aumento da massa magra.

- Aumento da força muscular.

- Diminuição do colesterol total e do LDL.

- Diminuição da resistência à insulina e do hiperinsulinemismo.

- Melhora da libido e aumento da satisfação sexual.

- Melhora da qualidade de vida.

- Melhora das funções cognitivas.

- Melhora do humor.

O que pode acontecer com o uso da testosterona e deve ser monitorado pelo seu médico?

- Aumento dos glóbulos vermelhos.

- Aparecimento de acne e pele oleosa.

- Nas mulheres, aparecimento de características masculinas como engrossamento da voz, aumento de pelos e do clítoris.

- Diminuição da espermatogênese e da fertilidade.

- Aumento de mamas nos homens.

- Queda de cabelo.

- Agravamento da hiperplasia benigna prostática.

- Crescimento de neoplasia mamária.

- Aparecimento da apnéia obstrutiva do sono.

São contraindicações do uso :

- Câncer de próstata ou mama.

- Nódulos prostáticos ou de mama.

- PSA superior a 3 ng/ml.

- Hematócrito superior a 50%.

- Hiperviscosidade sanguínea.

- Apneia obstrutiva do sono.

- Insuficiência cardíaca classe III/IV.

Bom acho que deu para você ter uma boa noção sobre o assunto não é mesmo?

Por último gostaria de deixar aqui o questionário ADAM, feito para avaliar subjetivamente a baixa de testosterona:

- Você tem observado diminuição da sua libido?

- Tem observado falta de energia?

- Percebe redução de massa muscular e/ou aumento de gordura, principalmente abdominal?

- Percebeu que diminuiu sua altura?

- Tem tido alteração de humor: perdeu a alegria de viver, fica triste ou angustiado ou tem ficado muito rabugento ultimamente?

- Percebeu que suas ereções estão menos vigorosas? Ou que não apresenta mais ereção matinal?

- Tem diminuído as atividades esportivas ou perdido seu rendimento esportivo?

-Tem tido sonolência após o jantar?

- Teve diminuição do seu rendimento profissional?

Se você apresenta 3/4 respostas positivas, procure seu médico para uma avaliação.

Espero que eu tenha ajudado.

Até a próxima matéria!

Dra Liliane Lemesin

CRM:80189.