O que o álcool pode causar no seu organismo: alterações gerais

Na matéria anterior, falamos principalmente das alterações que o uso crônico e pesado de álcool causa no sistema digestivo, nesta matéria, vamos continuar falando do estrago que ele faz, mas agora nos diversos órgãos.

O que o álcool causa alteração nos diversos tecidos do corpo humano, está ligado principalmente ao efeito tóxico do álcool e seus metabólitos, principalmente o acetaldeído, o aumento do stress oxidativo e a diminuição de nutrientes que o uso crônico desta substância causa.

A desnutrição de vitaminas e minerais ocorre por alteração na absorção destes nutrientes e por alterações hepáticas, já que grande parte dos nutrientes, principalmente os que tem depósitos em gordura, ficam armazenados no fígado. Ocorre também um aumento na excreção urinária.

 Desta forma, podemos ter déficit de vitaminas do complexo B, das vitamina lipossolúveis (A,D,E e K), alterações de cálcio, magnésio e fosfato, zinco, selênio.

0 uso crônico de álcool em altas doses, aumenta muito o stress oxidativo e por este motivo ocorre uma maior utilização de antioxidantes, aumentando a depleção nutricional.

O stress oxidativo aumentado, causa lesão de organelas celulares o que altera a síntese proteica e piora os danos nos tecidos.

Agora que você já está por dentro de como o álcool lesa os tecidos celulares, vamos partir para as suas consequências:

1)      No sistema cardiovascular:

O álcool pode ter função dúbia, pois doses moderadas (1 dose ao dia para mulheres e 2 doses ao dia para homens) podem trazer benefícios.

Benefícios este conhecido como paradoxo francês e que incluem: aumento do colesterol bom (HDL); diminuição da formação de trombos, efeitos antioxidantes, controle do stress. Estes benefícios acabam gerando uma maior proteção aos vasos, prevenindo infarto, AVC e pressão alta.

Mas com o uso pesado de álcool os benefícios vão embora e aí começamos a ter os efeitos deletérios como:

- Miocardiopatia dilatada, o álcool é considerado o seu principal causador e sua incidência piora nas mulheres.

- Aumento da pressão arterial.

- Aumento das arritmias cardíacas,

- Aumento das dislipidemias.

- Insuficiência cardíaca.

- Diminuição do fluxo sanguíneo cerebral.

- Alteração na coagulação sanguínea, levando a risco aumentado de hemorragias.
 
2)      No sistema respiratório:

Há uma predisposição ao risco de infecções, aumentando inclusive a taxa de tuberculose nestes indivíduos, porque o uso crônico de álcool diminui a atividade mucociliar do epitélio respiratório, diminui o reflexo da tosse, diminui a produção da imunoglobulina A secretória além de diminuir os linfócitos ( principalmente os natural killer ) e as células de defesa.
 
3)      No sistema endocrinológico os estragos não poderiam ser diferentes...
 
- O álcool causa uma resistência insulínica, inicialmente no sistema hepático e posteriormente no organismo propiciando ao aparecimento de um hiperinsulinemismo e posteriormente diabetes tipo 2 com todas as suas comorbidades .

Além disso, diminui a produção dos fatores de crescimento ligados à insulina, IG-1, que trabalham junto com o hormônio de crescimento, no metabolismo anabólico. Esta alteração explica bem o porquê da perda de massa muscular no bebedor crônico.

- Ocorre uma diminuição na liberação de hormônio adrenocorticotrófico e das beta endorfinas com o uso pesado de álcool. Aumento da secreção de aldosterona e diminuição da vasopressina o que gera alteração no equilíbrio hidroeletrolítica com aumento da osmolaridade e disfunção renal.

- Aumento de cortisol e das catecolaminas ( adrenalina e nor adrenalina).

- Hipotireoidismo com diminuição de T3 e T4.
 
4)      Sistema reprodutivo e hormônios sexuais:

 -O uso crônico de álcool pode levar a diminuição dos testículos e ovários  (hipogonadismo ) além de inúmeras disfunções na produção hormonal...

- Diminuição na produção de testosterona, o que causa baixa de libido, diminuição de massa muscular, aumento de gordura abdominal, diminuição nos espermatozoides ,  disfunção erétil e atrofia testicular.

-Aumento de estradiol, levando a ginecomastia (aumento das mamas) e alteração na distribuição de pelos nos homens.

-  diminuição de LH e FSH e hiperprolactinemia.

-  Infertilidade.

- Osteoporose.

- Amenorreia ( falta de menstruação).
 
5)       No sistema nervoso:

- Neurites periféricas.

- Demências : Alzheimer, Vascular, Síndrome de Wernicke-Korsakoff.

- Alucinações,Convulsões.

-Encefalopatia hepática.

- Atrofia cerebral.

-Ambliopia.

- Mielinose pontinha central que causa alteração da marcha (ataxia) e da fala (disartria).
 
6)      Nutrição e metabolismo:

- Déficit de : Folato (B9), Tiamina (B1), Riboflavina (B2), Niacina (B3), Piridoxina (B6), Cianocobalamina (B12).

- Déficit de Magnésio, zinco Calcio, Fosfato e selênio.

- Déficit proteico.

- Cetoacidose.

- Aumento de ácido úrico.
 
7)      Urinário:

- insuficiência renal
 
8)      Sanguíneo:

- Anemia por déficit de Ferro, B12, B9 e cobre.

- Diminuição dos glóbulos brancos.

- Diminuição no número de plaquetas.

- Baixa imunidade.
 
Sim, é muita coisa!
Por este motivo, acredito ter sido necessário a abordagem intensiva deste assunto.

Infelizmente, nos dias atuais, é uma realidade no consultório o número aumentado de bebedores pesados.

Por todos estes motivos, faz- se necessária a intervenção e não se concebe lifestyle medicine, sem corrigir este ponto.

Espero que esteja ajudando. Na última matéria, iremos falar um pouco sobre tratamento.

Até mais!

Dra Liliane Lemesin
CRM:80189