Sal, informações esenciais que você precisa saber

Sal, tão famigerado sal.

 Hoje uma grande preocupação mundial sobre o seu consumo excessivo, tornou este “alimento” um grande vilão dos dias atuais. A preocupação procede, ou é mais um mito que vais ser quebrado daqui algum tempo?

Bom, vamos ao que você realmente precisa saber sobre este alimento.
 O  sal de cozinha, que é formado pelo cloreto de sódio, vem sendo utilizado  há mais de 5.000 anos pelos egípcios e chineses e sua função prioritária era a de conservar alimentos.

O sal, atua chupando a água de dentro das células o que causa a desidratação e morte de bactérias que poderiam contaminar os alimentos causando sua deteriorização e portanto sua perda precoce. Não podemos esquecer que naquela época, não existia refrigeração, diferente dos dias atuais, nos quais pouco se usa o sal como conservante, mas principalmente como tempero para realçar o sabor dos alimentos. Este uso começou após a revolução industrial e é aí que começamos a ter nossos problemas com o consumo deste tempero.

 O sal é formado por moléculas de cloro e sódio, e ambos elementos tem sua função prioritária e são importantes ao nosso organismo.
O sódio, participa ativamente do equilíbrio hidroeletrolítico, da contração muscular, do ritmo cardíaco e da propagação de impulsos nervosos.

Por sua vez o cloro, atua ajudando o sódio no controle hidroeletrolítico, mas também no equilíbrio ácido básico , sendo importante para o transporte e troca do gás carbônico no pulmão. Outra função do cloro é que ele participa ativamente do processo digestivo no estomago, tanto por fazer parte do ácido clorídrico , como também por estar associado a liberação de enzimas digestivas.
Quando temos falta destes elementos podemos ter como sinais: anorexia, tonturas, desmaios, convulsão, cefaleia, dificuldade de memorização, câimbras ,má digestão.

Outro fator importante sobre o uso de sal é que atualmente ele vem sendo fonte importante de iodo, já que este vem sendo adicionado ao sal para prevenção de problemas ligados a tireoide como bócio endêmico, retardo mental, abortos espontâneos, baixo peso ao nascer e natimortos ( criança nasce morta). Bom, este é um tema para outro post.

Então quer dizer que o sal não é ruim para a saúde? você deve estar se perguntando.

Isso mesmo, eu diria que o sal é fundamental para a nossa saúde.

E então, porque ele virou este vilão todo? deve ser sua dúvida no momento.

A resposta se dá quando analisamos seu consumo e verificamos que o que vem ocorrendo é um excesso no seu uso. Mais uma vez, o que prejudica é o não equilíbrio. Estou cansada de alertar vocês nas minhas matérias pela falta de equilíbrio que temos hoje em dia. Ou se é 8 ou 80 e esquecemos que entre eles existe o 40, que pode ser bem melhor do ponto de vista bioquímico.

Estudos recentes mostram que o consumo de sal por dia entre nós brasileiros fica em média de 14 grs por dia, eu disse em média, porque tem muita gente consumindo muito mais do que isso. Para vocês terem uma idéia, o consumo de sal deveria ser, segundo a OMS de cerca de 5 grs por dia o que equivale a cerca de 2.000 mg de sódio por dia.

Um estudo recente, publicado pelo New England Journal of Medicine, disse que se baixarmos o consumo de sal podemos reduzir o risco de doenças cardiovasculares tanto quanto parar de fumar, combater o álcool, controlar a obesidade ou o colesterol. Outro estudo, revelou que diminuir o sal em pelo menos meia colher de chá por dia resultaria num decréscimo de 92 mil mortes por ano só em Nova York.

Dados interessantes você não acha?

 Bom, estudos mais recentes vão mais além e sugerem que o consumo de sal deve ficar próximo à 3 grs por dia.
Se você ainda está em dúvida, vou lhe dizer o que o excesso de sal pode causar:

O excesso de sódio, retira água de dentro das células desidratando-as. Desidratadas, estas células acabam não funcionando muito bem pois elas precisam de água para que as reações químicas que ocorrem no seu interior fiquem insuficientes, podendo resultar até na sua morte. Esta morte celular precoce, acelera o envelhecimento.

Ao retirar água de dentro da célula, o sódio joga este excesso de água para dentro do vaso sanguíneo, que ficará com excesso de liquido que pode resultar em dois mecanismos: o primeiro é extravasar este líquido para os tecidos, daí vem a formação do inchaço (edema); o segundo é fazer com que as paredes dos vasos sanguíneos diminuam seu calibre, resultando em aumento de pressão arterial, posteriormente sobrecarga de ventrículo esquerdo, causando insuficiência cardíaca. A pressão arterial pode levar ao AVC tanto isquêmico como hemorrágico.

O excesso de líquido quando chega aos rins, vai acabar causando uma insuficiência renal e alterará o metabolismo do cálcio, diminuindo sua excreção o que vai causar pedras nos rins, a grande maioria destas pedras vem do cálcio, osteoporose e arritmia cardíaca.
Por outro lado, o excesso de cloro, vai acabar alterando a acidez gástrica podendo causar câncer de estomago. Além disso, vai alterar a troca de oxigênio e gás carbônico no pulmão, causando um desequilíbrio respiratório e do metabolismo ácido -básico.

Os sintomas de excesso de sal podem ser: inchaço de pés, mãos e tornozelos; falta de ar; dores ao andar; aumento de pressão arterial; retenção urinária; calculo renal.

E aí, ficou convencido?

Por todos estes motivos a Anvisa soltou uma normatização para que o uso de sal pela indústria alimentícia caia drasticamente até 2020.
Os alimentos mais ricos em sal são: queijo parmesão, macarrão instantâneo, embutidos em geral, biscoitos, bolachas, hamburguer, enlatados, caldos.

Uma outra fonte perigosíssima de sal são os alimentos diet e light. Já disse anteriormente que quando eles reduzem um determinado nutriente eles aumentam outro para compensar o sabor e neste quesito os pós para refresco, caldos, gelatinas, bolachas, balas e refrigerantes, light e diet são grandes campeões em teores de sal, cerca de 43% maior do que os sem baixa de nutrientes.

Bom visto tudo isso, agora iremos para as dicas de como diminuir o consumo de sal em sua vida:

-  Preste muita atenção aos rótulos dos alimentos, sempre opte pela marca que tiver uma menor quantidade de sódio.

-  Prefira alimentos naturais e caseiros.

- Diminua o sal e aumente o consumo de temperos como alho, cebola, ervas e condimentos que além de trazerem sabor aos seus pratos tem atividades funcionais.

- Utilize um sal light, que em sua composição possui uma boa quantidade de potássio. O potássio consegue equilibrar os efeitos deletérios do sódio.

-  Você pode também pensar em utilizar o sal marinho que possui cerca de 84 elementos sendo muitos minerais em sua constituição.

- Outra boa opção seria o sal rosa do Himalaia , rico em nutrientes, mas que para mim tem algumas ressalvas: seu alto custo é um deles e neste quesito o sal marinho sai ganhando. O outro, e isto é meu, é a certificação de origem. Você pode estar utilizando um sal tingido, achando que é o verdadeiro. Infelizmente em nosso país não há fiscalização suficiente para garantir a procedência da mercadoria.

- Por último e bem interessante é fazer em casa um sal de ervas ou até mesmo um gersal.

Veja as receitas aqui.

Espero que tenham gostado.

Dra Liliane Lemesin

CRM: 80189